Relatório ProWein: Covid atinge mais as pequenas vinícolas

De acordo com o ProWein Business Report 2020, divulgado esta semana, a atual pandemia atingiu as vinícolas menores com mais força.

O relatório ProWein, que foi conduzido pela Geisenheim University em parceria com a ProWein, entrevistou especialistas de 49 países no final de 2020 e se concentrou nos efeitos do Covid-19 na indústria global do vinho.

Ao destacar uma série de consequências da pandemia, incluindo um crescimento na venda online de vinhos, o relatório chama a atenção para problemas específicos para os pequenos produtores ligados ao setor de hospitalidade prejudicado, e prevê perdas adicionais para o comércio de vinho em 2021.

Enquanto os maiores produtores de vinho foram capazes de compensar parcial ou totalmente as perdas nos bares e restaurantes aumentando as vendas por meio dos varejistas, as vinícolas menores, que tendem a depender mais do setor de hospitalidade, foram as que mais sofreram, de acordo com o relatório.

Ele observou que 60% das empresas de vinho pesquisadas relataram perdas econômicas devido à Covid-19, enquanto 70% das “vinícolas menores” – que “dependem ainda mais do enoturismo e da gastronomia” – viram sua situação econômica se deteriorar devido à Covid- 19.

O relatório completo, em inglês, você encontra neste link.

Principais conclusões

  • A pandemia causa rompimento dos canais de distribuição;
  • Hotéis, restaurantes e exportações foram atingidos fortemente;
  • Espera-se um 2021 com lenta recuperação para a indústria mundial;
  • A digitalização e a mudança estrutural foram aceleradas;

Introdução

De acordo com a Prof. Simone Loose, Diretora do Instituto de Pesquisa de Vinhos e Bebidas da Universidade de Geisenheim, a ProWein Business Report é o primeiro relatório mundial a quantificar o impacto global da Covid-19 nas diferentes áreas do setor vinícola e a medir as expectativas para o futuro da indústria do vinho. “A extraordinária importância do tópico Covid-19 para a indústria do vinho é demonstrada pela alta taxa de participação de especialistas internacionais, dobrando para quase 3.500 participantes em comparação com os anos anteriores”, disse Bastian Mingers, diretor da ProWein.

Ele acrescentou: “Isso destaca o valor informativo do Business Report atual. Todos na indústria têm grande interesse em comparar com outros os efeitos experimentados em seus negócios. Ao mesmo tempo, todas as empresas estão em busca de pistas para possíveis estratégias e saídas da crise”.

Resumo

A pandemia de Covid-19 e o declínio resultante da situação econômica são as ameaças para a indústria do vinho, que estão suprimindo outros desafios como a política de saúde, as mudanças climáticas e a guerra comercial internacional. Os fechamentos de hotéis e restaurantes causados ​​pela pandemia levaram a um rompimento global dos canais de distribuição de vinho. O varejo de alimentos e o comércio online, e até certo ponto, o comércio especializado em vinhos, se beneficiaram dessas mudanças em muitos países. No entanto, a falta de turistas estrangeiros causada pela Covid-19 levou a uma queda acentuada no consumo de vinho local em muitos países produtores.

O impacto da crise da Covid-19 nos produtores de vinho variou de acordo com o foco de vendas. As vinícolas menores foram particularmente afetadas pelo fechamento de restaurantes e hotéis e pela falta de turistas. O impacto global simultâneo da pandemia também levou a um declínio global nas exportações de vinho, especialmente para países com uma alta proporção de consumo de vinho em eventos e em restaurantes. A indústria espera apenas uma recuperação muito lenta do turismo e das exportações e antecipa mais uma deterioração da situação econômica em 2021.

Para a maioria dos produtores de vinho na Espanha, França e Itália, vários de seus canais de vendas mais fortes, em termos de valor e volume, foram afetados negativamente ao mesmo tempo. Esses efeitos, de longe, não puderam ser compensados ​​por aumentos nas vendas online.

Em resposta à pandemia, tanto os varejistas quanto os produtores intensificaram sua comunicação online, abriram lojas online, realizaram degustações online e ofereceram serviços de entrega. Esta transformação digital da indústria do vinho, que foi fortemente acelerada pela Covid-19, continuará no futuro, de acordo com os especialistas.

As reduções de custos e os programas de ajuda governamental têm conseguido, até agora, evitar grandes redundâncias e fechamentos de fábricas. No entanto, os especialistas esperam que o setor se consolide e fique cada vez mais concentrado à medida que a pandemia avança e algumas empresas são forçadas a fechar. No futuro, as empresas também buscarão uma maior diversificação em diferentes canais de vendas e mercados, a fim de distribuir seus riscos de forma mais eficaz. Por exemplo, os produtores estão tentando mudar principalmente para clientes diretos e varejo de alimentos, o que intensificará ainda mais a concorrência nesses canais no futuro. Teme-se que as reduções de custos e os investimentos postergados também desacelerarão a adaptação do setor vitivinícola às mudanças climáticas e a melhoria da sustentabilidade ambiental.

Embora muitos consumidores tenham se mimado com vinho durante a pandemia, os especialistas esperam que as consequências econômicas da Covid-19 levem à consumidores mais sensíveis a preços e a uma redução nas vendas de vinhos premium no futuro. Em contraste, as vendas globais de vinho como um todo devem se recuperar na maior parte após a Covid-19.

Desafios atuais da indústria do vinho

  • Covid-19 e a situação econômica são atualmente as principais ameaças ao setor de vinho

Os efeitos da crise da Covid-19 e o impacto negativo esperado na situação econômica global são de longe os desafios mais importantes que a indústria do vinho enfrenta neste ano. Em comparação com o ano passado, a ameaça das mudanças climáticas e as políticas de saúde ficaram um pouco em segundo plano devido à ameaça da pandemia, mas ainda são consideradas importantes.

Covid-19 causa rompimento nos canais de distribuição de vinho

  • As restrições da Covid-19 alteram as vendas de vinho

Como resultado das restrições globais, a crise da Covid-19 levou a uma mudança abrupta no comportamento de compra dos consumidores. Em muitos países, houve muitos fechamentos e restrições na indústria de restaurantes e hotéis. O turismo internacional, de grande importância para as vendas em países como Espanha, França e Itália praticamente parou também. Em contrapartida, os consumidores se tornaram mais dependentes de varejistas de alimentos e lojas online para comprar seus vinhos.

  • Fechamento e restrição de HoReCa

As restrições impostas pela Covid-19 afetaram principalmente restaurantes e hotéis, dos quais 77%, de acordo com os resultados da pesquisa, tiveram que fechar pelo menos temporariamente. As medidas de higiene impostas resultaram em maiores custos operacionais, restrições na oferta de serviços, redução das taxas de ocupação e redução de negócios em mais de 60% dos restaurantes e hotéis. Todo o setor sofreu e ainda sofre com o cancelamento quase total de eventos, festas privadas e públicos.

Em comparação com restaurantes e hotéis, o comércio de vinho foi muito menos afetado, com apenas 25% das empresas tendo que fechar e/ou sofrer uma perda de volume de negócios. Por outro lado, 38% dos varejistas de vinho relataram aumento nas vendas desde março de 2020.

  • Consequências econômicas para HoReCa

Hotéis e restaurantes foram os mais afetados economicamente pelos fechamentos, medidas de higiene e o colapso do turismo. Para cerca de 80% dos negócios, a situação econômica se deteriorou devido à Covid-19, 30% da qual se deteriorou fortemente. Partindo de um nível positivo em 2019, a situação econômica dos hotéis e restaurantes caiu drasticamente para o valor mais negativo de todos os setores examinados da indústria do vinho. Em contraste, a atual situação econômica do comércio especializado em vinhos é a mais positiva de todos os setores, embora esteja em declínio em relação ao ano anterior. Atacadistas e importadores estão entre os dois extremos, com um declínio significativo, mas uma situação econômica amplamente satisfatória.

  • Consequências econômicas para os produtores de vinho

No geral, a maioria dos produtores internacionais de vinho foi afetada negativamente pelas mudanças relacionadas à Covid-19 nos volumes de vendas. Devido a grande presença em supermercados e mercearias, os produtores maiores em particular, como vinícolas e cooperativas, foram capazes de compensar parte de suas perdas. No entanto, quase 60% das empresas relataram perdas econômicas devido à Covid-19. 70% das vinícolas menores, que dependem ainda mais do enoturismo e da gastronomia, viram sua situação econômica se deteriorar devido a pandemia. Embora os produtores de vinho tenham aumentado as suas vendas através dos canais online, estas baseavam-se num nível inicial muito baixo e para a maioria das adegas não conseguiram, de longe, compensar as perdas dos importantes canais de venda da gastronomia, exportação e enoturismo. Os produtores de vinho mediterrâneo em particular não têm acesso fácil aos consumidores na Europa Central e do Norte devido à regulamentação do comércio online intra-europeu de vinho.

  • Exportações caem devido ao impacto global da pandemia

Devido à escala global da pandemia, os canais de vendas mudaram virtualmente em todos os mercados de vinho do mundo. Como resultado, houve um forte ciclo de feedback negativo sobre as exportações de vinho dos três principais países produtores, com a França e a Espanha já afetadas por tarifas de importação adicionais aos EUA desde outubro de 2019. A perda de exportação da Itália foi menor devido à isenção de impostos de importação.

Além dos EUA, mercados importadores como China e Hong Kong foram particularmente afetados pelas quedas. Lá, o consumo privado de vinho ainda é relativamente baixo e o vinho é consumido principalmente em ocasiões sociais especiais, o que não acontecia mais devido à Covid-19. As exportações para países como a Holanda ou a Suíça, onde o vinho desempenha um papel importante no setor gastronômico, também diminuíram em 2020. As perspectivas de recuperação das exportações em 2021 são modestas.

Reações de empresas

  • A comunicação online está crescendo

Como resultado da crise, tanto os produtores quanto os varejistas realinharam completamente seu marketing com um foco forte em todos os canais online. 60% dos produtores de vinho e cerca de 50% dos varejistas, bem como hotéis e restaurantes intensificaram a comunicação com os seus clientes através das redes sociais (Facebook, Instagram etc.). Um em cada três varejistas de vinho colocou anúncios online. Quase uma em cada quatro vinícolas e uma em cada cinco varejistas de vinho realizaram degustações online para alcançar seus clientes e consumidores durante o bloqueio. Da mesma forma, uma em cada quatro vinícolas e uma em cada dez varejistas de vinho abriu uma nova loja online de propriedade da empresa.

  • Produtores de vinho focaram no consumidor direto e buscaram novos canais de venda

As vendas a clientes diretos podem ser aumentadas para 44% dos produtores de vinho – especificamente através de ofertas especiais com descontos (46%) e aumento da ativação do cliente através de newsletters (40%). Um em cada quatro produtores de vinho tentou lucrar com o aumento das vendas no comércio de alimentos e comércio online negociando nova carta de produtos.

  • O serviço de entrega é o meio seguro do momento

De acordo com o lema “se o consumidor não pode vir até o vinho, então o vinho vai até o consumidor”, a cada segundo varejista de vinhos, um em cada três restaurantes e um em cada quatro produtores de vinho oferecia um serviço de entrega de seus produtos. Isso possibilitou uma entrega segura e sem contato das mercadorias, sem que os consumidores de vinho tivessem que deixar suas casas. Para restaurantes, no entanto, este serviço de entrega foi capaz de compensar apenas uma fração da receita, uma vez que a experiência de se visitar uma restaurante não pode ser entregue na casa do cliente.

  • Redução de custos necessária e programas de ajuda pública usados

80% das empresas afetadas negativamente pela crise tiveram que reduzir suas despesas e custos para sobreviver economicamente. Metade das empresas adiou inovações e investimentos planejados. Quatro em cada dez empresas utilizaram programas de ajuda pública, também para poderem continuar a pagar aos empregados. Um produtor em cada cinco foi forçado a demitir funcionários. Um em cada dez produtores pesquisados ​​participou da destilação de crise que se destinava a remover quantidades excessivas do mercado em muitos países (exceto em países como a Alemanha, onde a destilação de crise não era permitida). Em toda a Europa, cerca de 10 milhões de hectolitros (mais de uma safra anual alemã) foram armazenados ou destilados como parte das medidas de crise tomadas pela União Europeia.

Mudança no comportamento do consumidor

  • Os consumidores se mimam com vinho

Durante o lockdown, os varejistas observaram uma maior disposição de gastar dinheiro entre os consumidores, que, por exemplo, se presentearam com um vinho especial como compensação pela viagem cancelada ao exterior. Pelo fato de muitos consumidores passarem as férias em casa este ano, também optaram com mais frequência pelos vinhos locais e regionais. A procura de vinho espumante sofreu sobretudo com a falta de ocasiões sociais e comemorações a que se costuma beber.

  • Clientes mais sensíveis a preços são esperados no futuro

Os esperados efeitos econômicos negativos da crise da Covid-19 também pesarão sobre a renda disponível dos consumidores no futuro. O comércio de vinho, portanto, espera que os compradores de vinho sejam mais sensíveis ao preço no futuro, mas ao mesmo tempo espera um aumento na demanda por vinhos produzidos de forma sustentável e regional.

  • Espera-se recuperação lenta da gastronomia e exportações

Os especialistas esperam, unanimemente, uma recuperação lenta para a indústria de restaurantes e hotéis. A maioria espera mais contenção e cautela por parte dos turistas mesmo após a crise, e apenas um em cada três espera um aumento rápido e forte. Portanto, hotéis, restaurantes e seus fornecedores de vinho ainda exigem muita persistência para superar essa fase e sobreviver economicamente. Um em cada três especialistas está otimista e espera uma recuperação completa das vendas de vinhos no setor gastronômico após a Covid-19, que também oferece oportunidades para novos conceitos de negócios inovadores.

  • Demanda do comércio de vinho ligeiramente menor

Quatro em cada dez compradores do comércio especializado em vinho, gastronomia e hotelaria pretendem listar e comprar novos vinhos de novos produtores em 2021. Por outro lado, um em cada três negócios comerciais sente-se compelido a comprar menos vinho no próximo ano devido aos custos necessários economia e redução do capital vinculado.

Expectativas para o futuro

  • Efeito sustentado da mudança nos canais de vendas esperado

Os especialistas concordam que o comércio online de vinho continuará a desempenhar um papel muito importante após a pandemia. Da mesma forma, os entrevistados acreditam que as vendas de vinho por meio de varejistas de alimentos sairão mais fortes da crise. Um em cada três também espera que vinhos premium sejam vendidos por meio de varejistas de alimentos no futuro.

  • Espera-se que a demanda futura por vinho fique um pouco abaixo do nível anterior

Para o período pós-Covid-19, um em cada sete especialistas espera uma recuperação da demanda por vinho ao nível anterior. A proporção de entrevistados que espera uma recuperação incompleta é ligeiramente maior do que a proporção que espera que a demanda por vinho aumente. O comércio de vinho, com foco na Europa Central, é um pouco mais otimista do que os produtores de vinho com foco no sul da Europa. Os produtores de vinho da Alemanha e do Novo Mundo, assim como varejistas de vinho, esperam que a demanda por vinhos premium seja mais forte depois da crise do que antes dela. As expectativas dos produtores de vinho do sul da Europa em relação ao vinho premium são bastante moderadas.

Futuro ajuste estratégico do setor de vinho

  • A transformação digital da indústria do vinho acelerando

Empresas de todas as partes da cadeia de valor do vinho concordam que a digitalização terá um papel muito mais importante na indústria do vinho. Embora ainda existam obstáculos legais nas vendas online transfronteiriças, dois em cada três especialistas concordam que, no futuro, os produtores se concentrarão mais em seu marketing digital direto. Além disso, 56% dos varejistas planejam aumentar seus gastos com marketing digital e mais de um em cada três deseja investir em novas maneiras de alcançar seus clientes de forma mais eficaz (digitalmente). Além disso, o avanço da digitalização na produção de vinho continuará a acelerar e os especialistas concordam que a crise da Covid-19 provavelmente não retardará esse processo.

  • Covid-19 acelera mudança estrutural e diversificação

Na opinião dos especialistas entrevistados, o colapso repentino de importantes canais de vendas e mercados de exportação provavelmente fará com que os produtores de vinho tenham que diversificar mais para reduzir sua dependência e o risco de canais e mercados individuais. Isso só será possível por meio de um maior crescimento dos negócios ou de parcerias que permitam uma maior especialização na área de vendas e garantam o volume de vendas necessário. Dois em cada três produtores pesquisados ​​esperam que a crise da Covid-19 tenha um impacto tão negativo na indústria que alguns dos produtores não sobreviverão economicamente. Isso levará a uma maior aceleração da mudança estrutural, que resultará em menos empresas, porém maiores.

  • Covid-19 desacelera o movimento de sustentabilidade na indústria

O último ProWein Business Report 2019 deixou claro que a escalada da mudança climática levou a um compromisso crescente com a sustentabilidade no setor de vinho. No entanto, a maioria das medidas de proteção ao meio ambiente exige investimentos das empresas. A Covid-19 já levou ao adiamento de investimentos e atacou a substância econômica de muitos negócios necessários para medidas para aumentar a sustentabilidade. Três em cada dez especialistas temem, portanto, que os produtores não sejam capazes de aumentar sua sustentabilidade ambiental e se adaptar às mudanças climáticas com a rapidez necessária. O estudo foi realizado em nome da ProWein pelo Departamento de Negócios de Vinhos e Bebidas da Geisenheim University chefiado pela Profa. Dra. Simone Loose e sua equipe.

Write a response

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
ProWine São Paulo © 2021 | +55 11 2365-4313 | info@emmebrasil.com.br
Close
X
wpChatIcon
Facebook
YouTube
LinkedIn
Instagram
%d blogueiros gostam disto: